“Gostaria de compartilhar o dia que decidi acrescentar o sobrenome do meu marido!”

Por Júlia Branco Nosé

Eu decidi que acrescentaria o sobrenome dele somente no Cartório, no momento que assinávamos os papéis para a celebração do Casamento Civil! Posso dizer que foi um dia bem intenso! Durante toda a fase de preparação do casamento eu tive dúvida... dúvida essa que muitas mulheres talvez se identifiquem. A utilização do sobrenome do marido é algo histórico e patriarcal. Defendia-se que, após o casamento, a mulher deixava de fazer parte da família do pai para integrar a família do marido. Oi???

Bom, nem preciso dizer que essa ideia é totalmente inaceitável para mim! Desde quando eu deixaria de ser filha por conta do casamento? Aliás, na minha opinião a relação de pais e filhos é um laço que nunca se desfaz! Não faz sentido achar que algo mudaria com o casamento.

Aliado a isso, eu acredito que o casamento é a formação de uma nova família! Família esta composta por duas pessoas! Ou seja, porque somente uma trocaria o sobrenome? Na minha cabeça, seria algo como perder a minha identidade e eu não estava lidando nada bem com essa ideia.

Para o meu marido foi um choque a primeira vez que conversamos sobre o assunto. Na cabeça dele era algo já definido! Todas as mulheres das nossas famílias tinham o sobrenome do marido, porque conosco seria diferente?

Mas o fato é que ele nunca conseguia conversar sobre o assunto, percebia que estava incomodado mas raramente falávamos sobre isso. Não foi um período fácil. Muitas pessoas não concordavam com a minha atitude, inclusive muitas mulheres!

Confesso que também me questionava muitas vezes... não sabia que atitude tomar! Posterguei ao máximo a nossa ida ao cartório para darmos entrada no casamento civil, afinal aquele momento seria definitivo.

No dia em si, me arrumei cedo e fiquei esperando meu marido chegar. Minha mãe, que estava aflita com tudo aquilo, me perguntou o que eu faria e eu lembro de dizer que não tinha a mínima ideia ainda.

No caminho até o cartório pedi para ele parar o carro. Eu estava realmente angustiada! Comecei a expor todas as minhas dúvidas e, para minha total surpresa, ele apoiou a minha decisão de não utilizar o sobrenome dele. Isso já foi um alívio muito grande, pois me tirou toda aflição! Foi uma conversa tranquila e por todo momento ele disse que entendia meus motivos.

Agora vocês devem estar se perguntando porque então mudei de ideia! Porque durante essa nossa conversa além de respeitar a minha decisão ele conseguiu explicar porque era algo significativo para ele a mudança do sobrenome. Ele perdeu o pai há 4 anos e essa ausência é algo que mexe muito com ele. O sobrenome do pai, para ele, é algo muito valioso e seria o único presente que o pai dele poderia deixar para o nosso casamento.

Aquilo realmente me tocou! Nada tinha a ver com o machismo que estamos acostumadas, mas sim com sentimento e saudade por alguém tão importante para ele! O sobrenome é algo forte que liga ele ao pai e nesse momento os meus argumentos me pareceram pequenos perto desse sentimento.

Mesmo assim, preenchemos todos os papéis do Cartório sem o acréscimo do nome. Foi na hora de assinarmos que eu decidi que trocaria! Ele ficou surpreso, mas foi nítida a expressão de felicidade em seu rosto. Era algo realmente importante para o meu marido e passou a ser para mim também.

Se me arrependo disso? Nem um pouco! Muito pelo contrário! O sobrenome se tornou algo importante e significativo para nós e só reforçou nossa cumplicidade!

Continuo sendo a mesma mulher e filha de antes, mas me tornei também esposa e isso só veio acrescentar na minha vida!