"Resolvi escrever sobre o dia que me vi com medo, medo simplesmente por ser mulher"

Júlia Branco Nosé

Assim que vi o post da minha amiga Giovanna no Instagram sobre o site “Todas as mulheres do mundo” logo me interessei e quis integrar esse time!!! Eu tinha então um desafio pela frente: contar sobre o “último dia que vivi uma situação que um homem jamais viveria”. Me pareceu um pouco difícil num primeiro momento, mas parando brevemente para pensar eu já tinha várias situações na mente!

Poderia escrever sobre o dia que decidi se usaria ou não o sobrenome do meu marido. Os homens nunca têm essa dúvida, parece algo já definido para eles! Não sentem dúvida sobre perder a identidade deles ou não... ou pior, se usar o sobrenome do cônjuge seria um sinal de submissão da esposa. Mas mesmo sendo uma situação que acredito que eles nunca viveriam eu resolvi escrever sobre outra coisa. Resolvi escrever sobre o dia que me vi com medo, medo simplesmente por ser mulher!

Desde muito nova eu, como acredito que a maioria das mulheres, sinto medo de ser violentada. Já deixei de sair para correr na rua ou em um parque sozinha por conta disso. Já troquei de lugar no metrô ou no ônibus por perceber algum homem me olhando de modo estranho. Já senti receio na rua em passar por algum lugar mais escuro. E por aí vai... situações que nós mulheres convivemos diariamente.

Mas houve um dia em que realmente percebi o quão assustada eu estava com tudo que vem sendo noticiado sobre o assunto. Todos esses receios que descrevi antes nunca me fizeram deixar de utilizar o transporte público, nem andar pelo meu bairro, sozinha, a qualquer hora. Mas recentemente percebi que a quantidade absurda de situações constrangedoras que temos acompanhado nas mídias, pela primeira vez, me fizeram buscar uma alternativa que eu a principio julgo mais segura.

Primeiro passei de fato a evitar o transporte público, mas isso não foi suficiente. Eu as vezes preciso utilizar o Uber, Táxi, etc. Me vi então procurando desesperadamente um aplicativo que me deixasse mais segura nessas situações, já que a confiança de ficar sozinha com um homem no carro há muito tempo estava abalada.

E não sei se fiquei feliz ou triste por perceber que existem mais mulheres na mesma situação que eu, pois de fato existe um aplicativo de transporte SOMENTE para mulheres! São veículos particulares dirigidos por mulheres e que atendem apenas mulheres. Confesso que adorei o serviço! Precisava encontrar meu marido no shopping e utilizei o aplicativo pela primeira vez! Me senti tranquila, relaxada e acima de tudo segura! Mesmo o transito caótico não foi suficiente para tirar minha paz! Fui atendida por uma motorista muito educada que inclusive me confidenciou que até para ela, que está trabalhando, esse aplicativo trouxe mais segurança!

Eu nunca vivi nenhuma violência para sentir esse medo todo, o que me chama ainda mais atenção pois percebi que o simples fato de termos conhecimento desse tipo de atitude já é suficiente para bloquear e até modificar nosso dia a dia.

Eu não vejo um homem passar por isso! E nunca veremos na realidade. Nunca vi nenhum relato masculino sobre ter medo de pegar um simples táxi! Algo que deveria ser tão banal, para nós, mulheres, tem sido cada vez mais difícil.

Vou terminar meu relato dizendo como me sinto sobre isso: REVOLTADA! Acho que é a única palavra que faz algum sentido nesse momento! E enquanto não me sentir segura, pretendo continuar utilizando o aplicativo de transporte somente para mulheres.

Ah, somente a título de curiosidade... sim, eu passei a utilizar o sobrenome do meu marido! Nossas motivações para isso me fizeram ter certeza de não estava perdendo a minha identidade e hoje vejo que valeu muito a pena!