“No auge dos meus 40 anos, com casa, carro e uma família linda, a depressão tira-me o prazer pela vida”

Por Patty Ciorfi Freitas

A (HÁ) MULHER POR TRÁS DA ESCRITORA

Poderia começar escrevendo esse texto dizendo: a mulher por trás da escritora, mas com certeza o terminarei com a seguinte frase HÁ MULHER POR TRÁS DA ESCRITORA. Uma pequena alteração, uma letra apenas, mas que com certeza muda todo o sentido.

No auge dos meus 40 anos, com casa, carro e uma família linda, a depressão tira-me o prazer pela vida. Não consigo sentir o gostinho que tem coisas simples como caminhar de mãos dadas com o marido, ou ver o sorriso de meus filhos.

Professora desde os 19 anos, passei a ter dificuldade para assinar o meu próprio nome e resolver coisas do dia a dia. Marcar uma simples consulta por telefone passou a ser um bicho papão.

Lecionar então, tornou-se impossível para mim, pois juntamente com a depressão que me deixava muitas vezes prostrada, veio também crises de síndrome de ansiedade, onde ficar entre as pálidas paredes da sala de aula era um verdadeiro tormento.

Comecei a procurar onde havia ficado a Patrícia que eu conhecia. Em qual lugar do passado eu a havia deixado. Sim, depressão é um verdadeiro e completo abandono. E eu havia feito isso comigo mesma!!! Assumo hoje essa minha culpa.

Aos poucos, comecei a tomar as rédeas da minha própria vida. Não. Não foi fácil! Mas armei-me de auto-estima, valorização, foco e fé, e acabei encontrando na escrita algo que realmente fazia e faz sentido, algo no qual agarrei-me para submergir de uma doença que muitos tratam com menosprezo e pouco caso, mas que é a causa de muitos suicídios em todo o mundo.

Timidamente comecei a escrever um romance que foi lançado no final de 2014 e que fez com que eu percebesse que era isso que estava faltando: fez com que acreditasse em mim e começasse ser a protagonista da minha própria história.

À partir daí outros títulos como Vidas Entrelaçadas, Fuga, Lago Negro e a Série Encantos, só serviram pra endossar o empoderamento que começava a permear a minha vida.

Através da minha escrita procuro dar voz a mim e à outras mulheres, uma vez que minhas obras tem a singular marca de fazer com que temas de abusos, violências venham à tona, dando voz ativa à mulheres subjugadas, fazendo com que as mesmas vençam e vençam os seus intempéries.

Também com esse objetivo de dar voz às pessoas, fundei o Consulado da Poesia, onde além de divulgar outros escritores, organizei duas antologias: Quatro Estações e Um café, dois Dedos de Prosa & Alguns Versos, reunindo autores do Brasil e do Mundo, os quais, muitos deles ainda não tinham nunca publicado em um livro.

Também sou a organizadora da Revista Consulado Literário que tem o mesmo objetivo.

Esse ano, procurei dedicar-me ao público infantil, lançando a Série Descobertas/ Coleção Segredos da Natureza, com os títulos: Escorregador Colorido/Luneta Mágica/Esconde-Esconde e também o livro poético em homenagem ao meu pai, Menino Passarinho, na qual além de autora, também sou ilustradora. Fato esse que me aproximou de minha profissão de formação, sobretudo dos alunos, fazendo-me estabelecer outras conexões com esse publico.

A escrita e tudo que a cerca é pra mim o ar que respiro. Não conseguiria mais viver sem isso.

Considero-me uma empreendedora. Mas não uma empreendedora comum. Sou uma empreendedora da minha própria Vida!!! A e Há uma mulher por traz da escritora!!!!